CORAÇÃO SEM TERRA (Juvenal Dal Castel)

No meu campo germinam flores
De aromas, cores e amores.
Aquele campo é minado,
Luminoso de ilusores..
Não vai lá, meiga menina!
A mão que trabalha a terra,
Não é mão de violeiro.
Sabe a dureza da enxada.
Os dedos não são ligeiros.
A terra cavam e plantam
Uma longa melodia,
Em raios graves de sol.
Lavrada por solavancos,
Termina sua partitura.
Em pleno claro de lu----a.
Não deixa ficar meu pago
Ser tão seco e despovoado.
Sertão frio, descultivado
Com espinhos, Não me toque!
Só a leveza da tua mão.
Meu Amor, não diga não!
Meu Amor, não diga não!
Não diga não! Não diga não!
No tremor de uma mão feia
Num coração que campeia
Um lugar para pousar.
Eu temo desapontar
Os sentidos da menina.
Ai! Meu Deus!
Receio acariciar
Aquela pele tão fina
Com medo de rasurar
Uma obra tão divina.
Quando tento em ti chegar
Sempre acabo por ficar,
Com o coração na mão.
Cana moída que goteja
Doce gota de esperança
Que a abelha venha suga...ar.
Não deixa ficar meu pago ...
...Meu Amor, não diga não!
Meu Amor, não diga não!
Não diga não! Não diga não!